Reclamadores crônicos

Por Dr. Alessandro Loiola . 17.12.10 – 18h52

Reclamadores crônicos

Diariamente,
entram no consultório mais e mais exemplares de uma raça cuja
reprodução parece ir de vento em popa: a dos Reclamadores Crônicos. É o
tal sujeito que reclama da falta de chuva no dia ensolarado e da falta
de um solzinho no dia chuvoso. Que a comida estava muito quente ou
muito fria. Que a esposa ou o marido ou o emprego lhes causa tédio
demais ou lhes dá nos nervos demais.

É difícil concordar com o raciocínio destes seres que reclamam sem
parar. Vivemos as conseqüências de nossas próprias opções. Alguém está
obrigando você a viver nesta cidade, neste país, naquele emprego, com
aquela pessoa ou com este exato estado de humor? Não. Tudo é fruto de
suas escolhas. Podem não ser escolhas fáceis, mas ainda assim são
escolhas. E acredite: é você quem decide.

Apesar dos dissabores, os Reclamadores Crônicos parecem seguir uma
marcha inexorável em direção ao domínio do mundo. Como estão
conseguindo esta proeza? Três teorias do comportamento podem responder
este mistério:

Teoria um: a Lei de Murphy

“Se alguma coisa pode dar errado, dará”. Quase sempre, dará errado
da pior maneira, no pior momento e de modo que cause o maior dano
possível. Este raciocínio típico possui muitos adeptos e é como um
batismo para os novos candidatos a Reclamadores Crônicos.

Alguns exemplos práticos da Lei de Murphy: as peças que exigem maior
manutenção quase sempre estão no local mais inacessível do aparelho. Ao
vasculhar uma gaveta, você só encontra aquilo que não está procurando.

Quando o telefone toca, se você tem caneta, não tem papel. Se tem
papel, não tem caneta. Quando finalmente pega ambos, o telefone se
cala. E se você jogar fora alguma coisa que tem guardada há muito,
muito tempo, vai precisar dela logo, logo.

Um Reclamador Crônico que se preze traz em seus genes uma mensagem
clara da Lei de Murphy: a Natureza opera a favor da falha. E ele mesmo,
o Reclamador Crônico, sente-se uma prova viva disso.

Teoria dois: o código dos metais

Este nobre código de comportamento é constituído por 4 regras
consecutivas, encabeçadas pela Regra de Ouro: “Faz aos outros o mesmo
que desejas que te façam”.

O risco de falências judiciais associadas à prática da Regra de Ouro
resultou em uma adaptação do código mais fácil de ser seguida, chamada
Regra de Prata: “Não faça aos outros o que não desejas que te façam”.

Como tudo que foi mudado pode ser melhorado para pior, à Regra de
Prata seguiu-se a Regra de Bronze: “Faz aos outros o que te fazem”.

Porém, a versão mais atual do Código de Conduta dos Metais, editada
pelos Reclamadores Crônicos, recebeu nome de Regra de Ferro. Este
exemplo de puro altruísmo humano prega o seguinte: “Faz aos outros o
que quiseres, antes que te façam o mesmo!”. Simplesmente magnânimo.

Teoria três: o princípio dos cegos e o elefante

A Lei de Murphy explica como os Reclamadores Crônicos nascem
(negativismo), e o Código dos Metais elucida como eles se multiplicam
(por vingança). Mas por que eles não melhoram com o tempo? A explicação
pode estar no Princípio dos Cegos e o Elefante, derivado da fábula
indiana de mesmo nome.

Na fábula, alguns cegos decidiram aprender o que era um elefante
tocando partes diferentes do animal. Um tocou o lado do corpo do
elefante e o descreveu como uma parede. Outro tocou a tromba, e ficou
convencido de que o animal era como uma serpente. O que tocou o joelho
disse tratar-se de uma árvore. O que tocou as nádegas disse que aquilo
tudo não passava de uma imensa mmm… bem, você captou a idéia.

Mais tarde, ao se reunirem, os cegos se envolveram em uma discussão
acalorada. Cada um tinha sua própria versão do bicho, mas nenhuma delas
parecia se encaixar com a do outro. Embora estivessem individualmente
certos, a intolerância em compreender a verdade do próximo impedia a
todos de entender o que era realmente o paquiderme.

Assim como os cegos e o elefante, os Reclamadores Crônicos palpam um
fio do cabelo do nariz da vida e aquilo lhes basta para conceber uma
sequência infinita de dificuldades e tristezas. Apegados às suas
meias-verdades, eles não entendem que nossas opiniões mais fervorosas
são apenas construções frágeis que criam a ilusão de que sabemos alguma
coisa – quando não sabemos de coisa alguma.

Juntamente com a existência, você recebeu de presente duas
possibilidades: desperdiçar primaveras reclamando de cada novo detalhe
que a vida lhe oferecer, ou maravilhar-se continuamente com a
imprevisibilidade de cada minuto. A escolha é simples – e sua apenas.
Faça-a da melhor maneira possível. Só não venha reclamar depois no meu
ouvido.

Anúncios

Sobre reanjinha211

Psicóloga clínica em São Paulo. Especialista em psicossomática psicanalítica.
Esse post foi publicado em Saúde e bem-estar. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s